quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

ADAMOR DO BANDOLIM: A HORA E A VEZ DO ZÉ DO CHORO

Adamor do Bandolim - “Chegou o Zé”
Rádio Cultura /PA
Adamor do Bandolim é Marajoara de Anajás, músico autodidata com 52 anos de atividade musical. Entre elas, em 1979 participou da criação do GENTE DE CHORO, anos depois integrou vários Grupos Musicais como o MANGA VERDE, OFICINA e outros. Tem 3 discos gravados e atualmente está excurcionando ao lado de alguns componentes do GENTE DE CHORO, pelas Capitais dos Estados do Amapá, Amazonas, Roraima, Rondônia, Mato grosso, Piauí e Acre, apresentando somente músicas de sua autoria. Sobre a música Chegou o Zé, Adamor diz que há tempos vinha ‘bolando’ um choro, no qual tivesse a ‘obrigação’ do violão 7 cordas no inicio da música. E no dia 27 de dezembro de 2008, ao receber um telefonema escutou três palavras: ‘Chegou o Zé!’. Era o Paulinho Moura, seu companheiro do grupo Gente de Choro, que comunicava o nascimento de seu filho mais novo, José Ernesto”.
Então vamos votar no Adamor do Bandolim com a música de sua autoria Chegou o Zé, melhor música instrumental do Festival da Rádio Cultura do Pará. acesse o site www.arpub.org.br e vote para eleger "Chegou o Zé" como a melhor música instrumental (choro) no 2º  Festival de Música das rádios públicas do Brasil.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

FICHA LIMPA: Corte mantém Flexa Ribeiro e Marinor Brito senadores eleitos




Por 3 votos a 2, o Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Pará rejeitou a representação movida pelo PMDB, que pedia a anulação das eleições para o Senado e a realização de novo pleito, e ainda que fossem sustadas as diplomações dos eleitos Flexa Ribeiro (PSDB) e Marinor Brito (PSOL). Os dois senadores tomam posse amanhã à noite no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia.

Dentre as argumentações sustentadas pelo juiz federal Daniel Sobral, relator do processo nº 311669, destaca-se o fato do ex-deputado federal Jader Barbalho já ter sido considerado inelegível pelo Tribunal Superior Eleitoral e pelo Supremo Tribunal Federal, e ainda assim os advogados protocolarem a representação. “Eles assumiram o risco colossal”, disse o magistrado após o julgamento.

A questão da ilegitimidade foi uma das quatro preliminares. As outras foram pedido impossível, decadência – reclamação intempestiva e não cabimento de representação. Todas fazem parte do relatório de 25 páginas do juiz Daniel Sobral.
“(...) De mais a mais, por amor ao debate, e considerando as implicações da situação in examen ao Estado do Pará e à história político-eleitoral brasileira, na medida em que se trata do 1º caso de tentativa de nulificação das eleições para o cargo de senador, sob os auspícios do art. 224 do CE, urge aprofundar o raciocínio já externado, de modo a demonstrar o desacerto da tese autoral, na remota hipótese de rejeição da fundamentação já exaurida.
Para tanto, de logo, traz-se à colação os art. 224 e §3º, do art. 175, ambos do CE, verbis:
“Art. 224, CE. Se a nulidade atingir a mais da metade dos votos do País nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais ou do Município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais votações e o tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias”. “Art. 175, §3º. Serão nulos, para todos os efeitos, os votos dados a candidatos inelegíveis ou não registrados (...)”.

Acima um trecho do relatório do juiz federal contra-argumentando a representação do PMDB, que pedia novas eleições com base no artigo 224.

Votaram juntamente com o relator, juiz Daniel Sobral (que se despediu do Pleno do TRE no dia de hoje após ter atuado desde 2008), as juízas Maria do Céo e Vera Araújo. Abriram divergências os juízes Rubens Leão e André Bassalo. Se declarando sob suspeição, o desembargador João Maroja foi substituído da presidência do feito pelo desembargador Ricardo Nunes. A decisão ainda cabe recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). (ASCOM/TRE-Pará)

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

FICHA LIMPA: Marinor Brito diz que decisão do TRE é histórica

A senadora eleita, Marinor Brito (PSOL), disse, em entrevista ao Portal ORM, na tarde desta quinta-feira (17), que a decisão do Tribunal Regional Eleitoral em negar recurso do PMDB, que pediu novas eleições ao Senado, coroa um momento político histórico no País.

'A decisão vem ao encontro do povo brasileiro que participa do movimento em favor da ficha limpa, da ética, da representação política pela honestidade e não pelo abuso do poder econômico, mas pela decência na política e não pelo uso da máquina pública', declarou. Com a decisão, ficam confirmadas as diplomações de Flexa Ribeiro (PSDB), eleito em primeiro lugar para o Senado com a expressiva marca de 1.817.44 votos, e Marinor Brito (PSOL).

Marinor e outros representantes do PSOL acompanharam a última sessão ordinária do TRE-PA, onde o recurso foi apreciado. Os desembargadores decidiram - por 3 votos a 2 - que uma nova eleição traria prejuízos à população do Pará. 'Está de parabéns o Tribunal. Queríamos que esta decisão fosse por unanimidade, que fosse consagrada por toda a Corte do TRE, mas a maioria decidiu e a maioria satisfaz o interesse desse momento histórico que vive o Pará', ressaltou.

Para a senadora eleita, a decisão não podia ser diferente, com base nos motivos que foram expressos pelos advogados. Ainda segundo ela, o PMDB não tem legitimidade para fazer essa representação. 'Se havia alguma situação de nulidade, o PMDB era o causador da nulidade. Quem participou do pleito em condição de inelegibilidade foi o Jader, que era o representante do PMDB, e concorreu sem autorização prévia dos tribunais brasileiros', argumentou.

Marinor Brito também disse que a diplomação agora tem outra conotação para ela. 'O meu processo de participação nessa eleição foi absolutamente límpido e consagrado pelo povo, inclusive com a aprovação das minhas contas sem ressalva pela Justiça Eleitoral. Hoje componho um percentual de 5% dos que vão chegar ao Congresso eleitos pelo voto de opinião', comemora.

A assessoria jurídica do PSDB, representada pelo advogado Mauro Santos, declarou que a decisão do Tribunal Regional Eleitoral correspondeu às expectativas e que, em se tratando de um tema tão relevante, o resultado reflete a importância da situação. 'Foi um resultado bastante relevante por se tratar de uma matéria que não é pacífica e que é a primeira vez que entra em pauta no Brasil', comentou o jurista.

O senador do Povo do Pará

Redação Portal ORM.16.12.2010

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

CURIOSIDADES: Peixe foi fotografado por Martin Meissner.

Arraia com 'expressão humana' chama atenção em aquário alemão

Do G1, em São Paulo
Com uma "expressão humana", uma arraia chama atenção no aquário de Oberhausen, na Alemanha. O peixe foi clicado na última terça-feira pelo fotógrafo Martin Meissner.
Arraia chama atenção por causa da 'expressão humana'.Arraia chama atenção por causa da 'expressão humana'. (Foto: Martin Meissner/AP)
 

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Bombeiros retiram vaca presa no telhado de uma casa em Minas


Segundo militares, a vaca subiu no terraço e pulou no telhado.
Animal foi sedado e retirado com a ajuda de um guincho.
Uma vaca caiu sobre o telhado de uma casa, nesta terça-feira (14), em Ipatinga, na região do Vale do Aço, em Minas Gerais. De acordo com informações da TV dos Vales, afiliada da Rede Globo, a vaca saiu de uma fazenda e caminhou por um barranco até chegar ao terraço da residência, que está em desnível no terreno. Os moradores tentaram retirá-la, mas não conseguiram. O animal pulou e ficou preso no telhado.
A vaca é um animal adulto. Com a queda, o telhado e um guarda-roupa foram danificados. Segundo a TV dos Vales, o animal ficou por aproximadamente cinco horas preso no telhado.
A vaca foi sedada e retirada da casa com a ajuda de um caminhão guincho. A corporação não informou se o animal foi sacrificado.
Parece até em Viseu, onde tudo acontece

NOVOS MUNICÍPIOS: Comissão pede urgência na análise dos processos de criação de 21 municípios.



Nas próximas eleições, em 2012, o mapa do Pará não será mais o mesmo. Pelo menos é que espera a Comissão Pró-emancipação do Sul do Pará, que protocolou hoje (10.11) requerimento solicitando a criação de uma comissão na Assembléia Legislativa para fazer os estudos de viabilidade para a criação de 21 novos municípios. Todos os distritos que pleiteiam a emancipação estão com processos na Casa, alguns desde 1999, como é o caso de Castelo dos Sonhos (município de Altamira) e Bela Vista do Pará (município de Dom Eliseu). Para o deputado João Salame (PPS), vice-presidente da Assembléia e autor da lei de criação de novos municípios, é possível agilizar a tramitação para que o pedido de realização de plebiscito seja votado e encaminhado ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) ainda este ano.
           A Comissão reuniu na manhã de hoje com o presidente da Assembléia, deputado Domingos Juvenil (PMDB), deputada Bernadete Ten Caten (PT) e o deputado Salame para pedir o cumprimento do artigo 6º da Lei, que determina a formação da comissão para os estudos de viabilidade econômica. Segundo o seu presidente, João Cardoso, a Comissão Pró-emancipação já reuniu os documentos necessários para o processo. "Queremos que o processo seja rápido porque 03 de outubro de 2011 é o prazo final para que os novos municípios sejam incluídos nas eleições de 2012", destacou. 
            Na reunião, a deputada Bernadete informou que apresentará emenda ao orçamento de 2011 destinando recursos para o TRE realizar o plebiscito no próximo ano. Na avaliação de João Cardoso, a população desses distritos, geralmente muito distantes da sede municipal, sofrem com a falta de investimentos. Ele acredita que a criação dos novos municípios representa melhor distribuição de renda: "os recursos serão mais bem repartidos e a população terá mais acesso à saúde, educação, saneamento". O deputado João Salame reafirmou que a Lei é um avanço e que a Assembléia vai cumprir com a sua parte no processo de criação de novos municípios no Pará.  
            Os processos que serão avaliados pelos parlamentares transformam em municípios os seguintes distritos: 
Brejo do Meio, Morada Nova (que passará a se chamar Paraguatins), Santa Fé do Rio Preto e Capistrano de Abreu (que será chamado de Rio Preto dos Carajás), desmembrados de Marabá
São Sebastião, Cajazeiras e Cruzeiro do Sul, de Itupiranga; Maracajá, Vitória da Conquista de Carajás e Belo Monte, de Novo Repartimento; 
Gleba Morada Nova do Sol (que será chamado de Ladeira Vermelha), Sudoeste e Lindoeste, de São Félix do Xingu;
Rio Vermelho e São José do Araguaia, de Xinguara;
Novo Paraíso, de São Geraldo do Araguaia;
Nova Canadá, de Água Azul do Norte; 
Bela Vista do Pará, de Dom Eliseu;
Fernandes Belo, de Viseu;
Castelo dos Sonhos, de Altamira;
e Casa de Tauba, de Santa Maria das Barreiras.


Dep. João Salame (PPS) - Autor da LC 74 - Autoriza a criação de municípios.

A BALSA DE TAMICHILA:

As obras anunciadas pela prefeitura de Viseu às vesperas das eleições continuam em rítmo acelerado (sic). Quando será a inauguração?
Veja o andamento das obras....
Porto Tamichila - Obra em setembro/2010
Porto Tamichila - Obra em dezembro 2010
Porto da Serra - em dezembro 2010 continua na mesma
 E o asfalto para as Vilas de Fernandes Belo e Açaiteua? Isso já nem se ouve mais falar. 

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

FERNANDES BELO FESTEJA SUA PADROEIRA

O povo de fernandes belo foi às ruas da vila homenagear sua padroeira: Nossa Senhora da Conceição. Foram quatro horas de caminhada pelas ruas da vila. Muita emoção marcou a caminhada que foi pontuada com várias homenagens. Vale destacar as homenagens recebidas da família Santana, da família do Zé Carlos da Resex, da família Morote, dos moradores da Jarbas Passarinho, e da família de Jacy Machado. A emoção tomou conta de todos os que acompanharam a procissão com a Virgem Maria. Felizes todos voltaram para suas depois de uma caminhada com muita fé.

TAÇA CIDADE DE VISEU: Fernandes Belo sedia jogos da semifinal


Jogos em Fernandes Belo: Taça Cidade de Viseu entra em sua fase final
Associação Atlético Esporte Clube - Vila de Açaiteua
Esporte Clube Fazendinha - Vila de Fernandes Belo
 
A rodada semifinal começou no sábado, 11/12, com o jogo entre as equipes do Juventus Esporte Clube, da Vila de Fernandes Belo e a equipe do Estrela Esporte Clube, da Vila de Açaiteua. A equipe do Juventus venceu a partida pelo escore de 1 x 0, classificando-se para a final.
No domingo a roda prosseguiu com a partida entre as equipes do Esporte Clube Fazendinha, da Vila de Fernandes Belo e da equipe da Associação Atlético Esporte Cluibe, da Vila de Açaiteua. Após o empate no tempo normal em 1 x 1, com gols de Zé Patraco para o Fazendinha e Luiz Carlos para o Atlético,  a equipe atleticana levou a melhor na disputa de pênaltis, vencendo por 5x4. Dirigiu a partida um trio de Arbitragem neutro, sendo o juiz Sergio Augusto Tavares Tocha, da Liga Municipal de Bragança, auxiliado por Marivaldo Marques, na primeira bandeira e Marinaldo Rabelo Marques, na segunda bandeira, ambos pertencentes a Liga Municipal de Augusto Correa.  
As equipes do Juventus, da Vila de Fernandes Belo e do Atlético, da Vila de Açaiteua, jogarão no próximo domingo, 19/12 decidindo a Taça Cidade de Viseu, uma promoção da Secretaria Municipal de Esportes e Turismo do Município de Viseu, que contou com a participação de várias equipes do II Distrito de Viseu (Distrito de Fernandes Belo). No próximo domingo o Distrito de Fernandes Belo conhecerá o Campeão da Taça Cidade de Viseu.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

AS SETE MARAVILHAS DO ESTADO DO PARÁ


Ficamos felizes quando lemos algum artigo que faz referencia a algum ponto característico do município de Viseu. Lamentavelmente as autoridades constituidas do município dão pouca  importancia aos atrativos turísticos do município. Enche-nos de orgulho o fato de vermos duas de nossas maravilhas dentre os concorrentes às Sete Maravilhas do Estado do Pará. Mais feliz ainda ficamos quando nos deparamentos com relatos como o do  Tadeu, um viseuense, publicado em O LIBERAL, edição de 08/12/2010, que transcrevemos em nosso blog, para conhecimento dos amigos de Viseu. 

"Serra do Piriá
                Mais uma vez O LIBERAL sai na frente e oportuniza aos leitores a possibilidade de participar, diretamente, dos destinos do Estado, desta vez escolhendo nossas 7 maravilhas. São Vinte e cinco opções que vão desde igrejas até festas regionais e acidentes geográficos. Tem opção para todos os gostos.
O Pará é um Estado grandioso, diverso e, sobretudo, repleto de belezas. Lembro-me bem de Souza Franco que, sempre que tínhamos na sala de aula algum aluno de outro Estado, ele, gozador me bairrista, perguntava em tom jocoso “se de lá de onde ele vinha tinha um túnel verde”, referindo-se à doce copa de mangueiras da Praça da República, espetáculo para a vista que abraça e refrigera os transeuntes nas tardes quentes de nossa Belém.
O difícil é eleger apenas sete entre tantas maravilhas. O que dizer de nosso teatro, que transmite paz só no olhar? E a Basílica? E o Círio? E o Bosque Rodrigues Alves? E o Museu Goeldi? Isso para falar apenas no âmbito da capital.
Mas, como viseuense, quero falar de duas maravilhas  desse grande município do Nordeste paraense. Situado às margens do Rio Gurupi, rio que nos separa do Maranhão, Viseu, até mesmo pela magnitude de sua geografia, tem muitos atrativos. O LIBERAL foi buscar dois, a Praia do Apeú Salvador e a Serra do Piriá, esta colocada nos primeiro cupons como pertencente ao município de Augusto Corrêa, o que depois foi corrigido.
Há décadas, a rota Viseu Bragança só era feita por embarcação, ainda não havia estrada. Viagem longa, sofrida, perigosa, que teve como vítima, inclusive, um prefeito da época. As ondas bravias do mar fustigavam as frágeis lanchas, e nós ficávamos no trapiche rezando e esperando a volta de parentes e amigos. E numa dessas verdadeiras epopéias, encostamos em uma praia eu e meu saudoso pai, que, com o filho de sete anos ao lado, apontava para longe, lá no horizonte, a belíssima Serra do Piriá, destacando a silhueta majestosa do “Peito de Moça”, elevação característica da serra, vendo-se duas elevações paralelas e ondulares, realmente lembrando essa parte da anatomia feminina. E, apesar da pouca idade, lembro-me do brilho intenso e paternal de seu olhar: olhava para mim e para a serra, como dois filhos queridos. 
Praia do Apeú - Viseu - Distrito de Fernandes Belo (foto: www.orm.com.br)

Serra do Piriá - Viseu - Distrito de Fernandes Fernandes (foto: www.orm.com.br)

Orlando Tadeu Ataide Leite
Rua Raimundo B. Santana, Passagem santa Fé, 36
Marituba – Pará."

Serra do Piriá. Jornal O LIBERAL. Caderno Atualidades. Coluna Cidades. Página 6. 08.12.2010. Belém – Pará.


VISEU e as 7 maravilhas do Estado do Pará.

"Agora você vai poder votar e escolher as 7 maravilhas do nosso Estado. Entre muitas belezas do nosso Estado estão em votação lugares previamente selecionados por sua beleza, importância ambiental, importância histórica e cultural. Vote e escolha as belezas que serão eternamente lembradas e preservadas para as futuras gerações de paraenses Você poderá votar pelo portal ORM ou pelos cupons que serão depositados nas urnas das lojas de Classificados de O Liberal".

Muito oportuna a promoção do jornal O LIBERAL. Afinal de contas o mundo já escolheu as suas sete maravilhas. E por que só sete?
SETE - NÚMERO DA PREFERÊNCIA DIVINA
SETE
são os dias da semana,
são as cores do arco-íris,
são as maravilhas do mundo antigo,
são as notas musicais.
SETE indica plenitude! SETE não lembra nada a você?
Então vamos colocar as maravilhas de Viseu, Praia do Apeú Salvador e  Serra do Piriá dentre as sete maravilhas do Estado do Pará. 
Praia do Apeú Salvador
Sendo o Estado do Pará uma terra contemplada com um grandioso acervo de belezas naturais, nosso município participar da promoção com dois representantes, é, para nós, motivo de muito orgulho. E para nós de Fernandes Belo, um orgulho maior ainda pois essas duas homenagens ao encanto encontram-se no II Distrito de Viseu, no Distrito de Fernandes Belo, breve um dos novos municípios do Estado do Pará: O município de Fernandes Belo. 
Serra do Piriá

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

PARÁ EU TE QUERO GRANDE!

Com a criação dos Estados do Tapajós e do Carajás, o Pará não ficará pequeno apenas na sua área territorial e no número de habitantes. Ele perderá muito mais:
O PIB do Pará cairá de quase R$ 50 bilhões para aproximadamente R$ 29 bilhões.
Deixará de ser o maior PIB do Norte, ficará atrás do Amazonas e do Maranhão.
O PIB per capita do paraense será um dos menores do Brasil. Talvez só maior que o do Tocantis, na região Norte.
O "novo" Pará perderá 8 dos 10 municípios paraenses com as maiores rendas per capita do Estado. E seis dos seus 10 municípios com maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano).
A área desflorestada do Estado crescerá de 17,5% para 30,7% no "novo" Pará.
O Pará perderá ainda seis de suas 13 bacias hidrográficas. Hoje, 1.238,03 km²; depois, apenas 245. 360,85 km²
Querem mesmo reduzir o Pará e não apenas o seu território
Querem reduzir a nossa importância
Querem reduzir o respeito pelo Pará
Mais do que nunca, precisamos dar um basta!
Sabe o quê aumenta com o retalhamento do território do Pará? o déficit público.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

CRIAÇÃO DE MUNICÍPIOS: Proposta de criação de 28 municípios é discutida com os comunitários

Proposta de criação de 28 municípios é discutida com os comunitários

Proposta de criação de 28 municípios é discutida com os comunitários

Lideranças de 28 comunidades reuniram-se hoje, 23/11, em audiência pública no plenário da Assembleia Legislativa do Amazonas, com membros da Comissão de Estudos para a Criação de Novos Municípios do Amazonas (CECNMA) para discutir o projeto de nº 136, de autoria do deputado Eron Bezerra, que propõe a criação de 28 municípios no Amazonas.

O parlamentar, que é presidente da comissão, aproveitou, ontem, para mostrar aos comunitários a situação do Amazonas em relação a criação de municípios em outros Estado da federação. “No Estado do Piauí, São Paulo e Minas, existem municípios com menos de 1 mil habitantes. Já o Amazonas, possui comunidades com 5 mil habitantes ainda sem emancipação”, disse ele.

De acordo com Eron Bezerra, o que sempre fizeram questão de propalar é que depois da constituição de 1988, só se cria município por lei federal, e com uma população de cinco mil habitantes. “Parece que só serve para o Amazonas essa lei”, disse ele, listando uma série de municípios criados a partir de 1995 pelo Estado, e que possuem população inferir a cinco mil habitantes.

O parlamentar argumenta que a dificuldade para a criação de municípios no Amazonas está relacionada aos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Dados oficiais de 2009, de acordo com Eron, mostram que enquanto o Amazonas recebeu apenas R$ 560 milhões de FPM, com 62 municípios, o Estado do Piauí, com 223 municípios recebe R$ 1 bilhão; Paraíba também recebeu R$ 1 bilhão de FPM por causa dos municípios que tem, assim como os Estados de São Paulo e Minas, cujo FPM ultrapassa os R$ 5 bilhões de FPM.

“No Amazonas não temos municípios com cinco mil habitantes, o menor, possui nove mil habitantes, entretanto, o Estado do Piauí, possui 80 municípios com menos de cinco mil habitantes”, disse, citando como exemplo o município de Santo Antônio dos Milagres (Piauí), emancipado em 1995 e com menos de mil habitantes. O Estado de Minas Gerais, segundo o parlamentar, possui 242 municípios com menos de cinco mil habitantes, assim como Serra da Saudade, que possui apenas 890 habitantes.

O Estado de São Paulo também é outro que possui FPM alto por causa da emancipação dos municípios. “O Estado possui 165 municípios com menos de cinco mil habitantes”, disse Eron citando Porá (com 804 habitantes); Nova Castilho (com 1.020 habitantes) e Quiju (com 1.450 habitantes).

Deputados da bancada interiorana como Vicente Lopes (PMDB), Wilson Lisboa (PCdoB) e Liberman Moreno (PHS) apóiam integralmente a proposta do deputado Eron Bezerra. Lopes se comprometeu em lutar pela defesa dessas comunidades que não tem tutela de municípios.

Lisboa, por sua vez, disse que 25 municípios amazonenses eram para terem sido emancipados ainda no governo de Amazonino Mendes (1995 a 2002), que vetou sob o argumento de que os municípios criados iriam onerar o Estado. “Hoje somos o 5º Estado mais rico do país e acredito que o governador Omar Aziz não vai ter nenhuma dificuldade de atender a esse apelo”, disse.

Já Liberman Moreno, garantiu que mesmo terminando seu mandato vai se dedicar à causa. Ele tomou como exemplo a comunidade de Purupuru, que hoje depende do Castanho, Autazes e Careiro da Várzea, mas terá independência para cuidar de seu povo com a emancipação.

Emancipação é uma necessidade

Único prefeito na audiência pública, Antônio Peixoto, de Itacoatiara, garantiu que vai lutar junto com a comunidade de Novo Remanso para ver o sonho dos comunitários concretizado. Segundo ele, a comunidade tem as condições necessárias para se tornar município. Ao seu ver, o prefeito que não aceita a subdivisão de seu território, tem ideia de concentração de poder.

“Ao meu ver é uma visão pequena, mesquinha e pessoal. Não tem interesse de que seu próprio município, mesmo desmembrado, consiga desenvolvimento”, afirmou. Para ele, a emancipação de Novo Remanso é uma necessidade.

Membro da comissão da comunidade Novo Remanso, Marcos Freire, fez críticas aos que são contra a emancipação das novas áreas, e garantiu que o projeto desenvolve as novas regiões.

João Taveira, o Jota Lee, do Purupuru, garantiu que a comunidade, esquecida pelos prefeitos, passará a ter mais condições de saúde, segurança e investimento em educação.

Comunidades que devem tornar-se municípios

Auati-paraná (Fonte Boa), Augusto Montenegro e Itapeaçu (Urucurituba), Auxiliadora (Humaitá), Axinin e Canumã (Borba), Balbina (Presidente Figueiredo), Belém do Solimões (Tabatinga), Bittencourt (Japurá), Caburi, Mocambo e Vila Amazônia (Parintins), Cacau Pirêra (Iranduba), Caiambé (Tefé). Camaruã (Tapauá), Caviana, Sacambu, Campina do Norte e Tuiué (Manacapuru), Iauaretê (São Gabriel da Cachoeira), Piranga-Juí (Manaus), Janauacá (Caapiranga), Matupi (Manicoré), Murituba (Codajás), Moura (Barcelos), Nono Remanso (Itacoatiara), Osório da Fonseca (Maués), Purupuru e Janauacá (Careiri Castanho), Rosarinho (Autazes) e São José do Messejana (Rio Coraci), Maraã. A Comissão de Estudos para a Criação de Novos Municípios no Amazonas é formada pelos deputados Therezinha Ruiz (DEM), Adjuto Afonso (PP), Belarmino Lins (PMDB), Bosco Saraiva (PRTB) e Eron Bezerra (presidente da Comissão).